CLICK HERE FOR FREE BLOGGER TEMPLATES, LINK BUTTONS AND MORE! »


.

EDUCAÇÃO INFANTIL E EDUCAÇÃO CRISTÃ PARA CRIANÇAS



5 Milhões de Acessos

5 Milhões de Acessos
Obrigada por encontrar aqui o que vocês precisam!!!!!

Você é muito importante!

                             

Participe do Blog Com a Gente

sábado, 29 de outubro de 2011

Moldes de flores

Você pode editar para que o molde fique do tamanho que precisa!






A Verdade Sobre o Halloween


Halloween - Dia das Bruxas
"Que bobagem, é apenas uma brincadeira de crianças; não existe nada demais nisso"

Essa é sua opinião? Então leia abaixo a verdade sobre essa festa nada legal!
INTRODUÇÃO:
Qual seria a necessidade de um estudo sobre o Halloween se esta é uma festa americana e de alguns países europeus?
Apesar desta festividade não ser muito conhecida pela maioria das pessoas no Brasil, ela vem ganhando um grande espaço em nossa cultura através de escolas primárias, escolas de inglês, TV, clubes, etc.



O QUE SÃO AS FESTAS DE HALLOWEEN?
O Halloween acontece na noite do dia 31 de Outubro que é geralmente celebrado com festas a fantasia, fogueiras e com crianças fantasiadas de monstros, fantasmas, bruxas, etc., saindo de casa em casa pedindo doces (brincadeira de "trick or treat", "travessuras ou doces").
Hoje, Halloween é um dia importante para os lojistas americanos. É uma noite em que "as pessoas decentes se tornam exibicionistas ultrajantes". 60% de todas as fantasias são vendidas a adultos.
No dia 31 de outubro, uma de cada quatro pessoas com idades que variam de dezoito a quarenta anos vestem algum tipo de fantasia representando certo personagem.
Para os leitores psíquicos, clarividentes e os que se declaram visionários, este é o dia mais agitado do ano. As editoras que publicam livros que vão desde astrologia até bruxaria registram um aumento colossal nas vendas. Salém, no Estado de Massachusetts, sede da bruxaria norte-americana, celebra na época do Halloween, o "festival da assombração", para expandir a temporada de verão.

SIMBOLISMOS E SUAS ORIGENS:
Definição: "Hallowed" é uma palavra do Inglês antigo que significa "santo", e "e'en" também de origem inglesa significa "noite", então o significado é "Noite Santa" ou "All Hallows Eve", "Noite de Todos os Santos".
O dia 31 de outubro não é uma escolha por acaso. No calendário celta, este é um dos quatro principais dias de descanso das bruxas, os quatro dias de "meio trimestre". O primeiro, 2 de fevereiro, conhecido como Dia da Marmota, honrava a Brigite, a deusa pagã da cura. O segundo, um feriado de maio chamado Beltane, era entre os bruxos, o tempo de plantar. Neste dia os druidas executavam ritos mágicos para incentivar o crescimento das plantações. O terceiro, uma festa de colheita em agosto, era comemorado em honra ao deus sol, a divindade brilhante, Lugh. Esses três primeiros dias marcavam a passagem das estações, o tempo de plantar e o tempo de ceifar, bem como o tempo da morte e ressurreição da terra. O último, Samhain, marcava a entrada do inverno. Nesse tempo, os druidas executavam rituais em que um caldeirão simbolizava a abundância da deusa. Dizia-se que era tempo de "estado intermediário", uma temporada sagrada de superstição e de conjurações de espirito.

Para os druidas, 31 de outubro era a noite em que Samhain voltava com os espíritos dos mortos. Eles precisavam ser apaziguados ou agradados; caso contrário, os vivos seriam ludibriados. Acendiam-se enormes fogueiras nos topos das colinas para afugentar os espíritos maus e aplacar os poderes sobrenaturais que controlavam os processos da natureza. Recentemente alguns imigrantes europeus, de um modo especial os irlandeses, introduziram o Halloween nos Estados Unidos. No final do século passado, seus costumes se haviam tornado populares. Era ocasião de infligir danos às propriedades, e consentir que se praticassem atos diabólicos não tolerados noutras épocas do ano.
A Igreja Católica celebrava originalmente o "Dia de Todos os Santos" no mês de maio e não dia 1 de novembro como é feito atualmente. O Papa Gregorio III, em 835, tentando apaziguar a situação nos territórios pagãos recém conquistados no noroeste da Europa, permitiu-lhes combinar o antigo ritual do "Dia de Samhain" ou "Vigília de Samhain" (algo parecido com o que os católicos fizeram no Brasil com os deuses africanos e os santos da igreja no tempo da escravidão). O Panteão de Roma, templo edificado para adoração de uma multiplicidade de deuses, foi transformado em igreja. Os cristãos celebravam ali o dia dos santos falecidos no dia posterior ao que os pagãos celebravam o dia de seu Senhor dos Mortos.

DRUIDAS
Estes eram membros de um culto sacerdotal entre os celtas na antiga França, Inglaterra e Irlanda que adoravam deuses semelhantes aos dos gregos e romanos, mas com nomes diferentes. Pouco se sabe sobre eles, pois os sacerdotes passavam seus ensinamentos apenas oralmente jurando e fazendo jurar segredo. Algumas práticas porém são conhecidas. Eles moravam nas florestas e cavernas, e diziam dar instruções, fazer justiça e prever o futuro através de vôo de pássaros, do fogo, do fígado e outras entranhas de animais sacrificados. Os druidas também ofereciam sacrifícios humanos e tinham como sagrados a lua, a "meia-noite", o gato, o carvalho, etc. Os druidas foram dizimados pelos romanos na França e Inglaterra antes do final do primeiro século, mas continuaram ativos na Irlanda até o quarto século.

BRUXAS E FANTASMAS
Os antigos druidas acreditavam que em uma certa noite (31 de outubro), bruxas, fantasmas, espíritos, fadas, e duendes saiam para prejudicar as pessoas.


LUA CHEIA, GATOS E MORCEGOS
Acreditava-se que a lua cheia marcava a época de praticar certos rituais ocultos. O gato estava associado as bruxas por superstição. Acreditava-se que as bruxas podiam transferir seus espíritos para gatos, então acreditava-se que toda bruxa tinha um gato. O gato era tido como "um espírito familiar" e muitos eram mortos quando se suspeitava ser uma bruxa.
Os druidas também tinham os gatos como animais sagrados, acreditando terem eles sido seres humanos transformados em gatos como punição por algum tipo de perversidade. Representavam portanto seres humanos encarnados, espíritos malvados, ou os "espíritos familiares" das bruxas. A cor do gato originalmente não era um fator importante. O morcego, por sua habilidade de perseguir sua presa no escuro, adquiriu a reputação de possuir forças ocultas. O mamífero voador também possuía as características de pássaro (para o ocultismo, símbolo da alma) e de demônio (por ser noturno). No período medieval acreditava-se que demônios transformavam-se em morcegos.

CABEÇAS DE ABÓBORA (“JACK-O-LANTERNS”)
A lanterna feita com uma abóbora recortada em forma de "careta", veio da lenda de um homem notório chamado Jack, a quem foi negada a entrada no céu, por sua maldade, e no inferno, por pregar peças no diabo. Condenado a perambular pela terra como espirito até o dia do juízo final, Jack colocou uma brasa brilhante num grande nabo oco, para iluminar-lhe o caminho através da noite. Este talismã (que virou abóbora) simbolizava uma alma condenada.
"TRAVESSURAS OU DOCES – “TRICK OR TREAT”
Acreditava-se na cultura celta que para se apaziguar espíritos malignos, era necessário deixar comida para eles. Esta prática foi transformada com o tempo e os mendigos passaram a pedir comida em troca de orações por quaisquer membros mortos da família. Também neste contexto, havia na Irlanda a tradição, que um homem conduzia uma procissão para angariar oferendas de agricultores, a fim de que sua colheitas não fossem amaldiçoadas por demônios. Uma espécie de chantagem, que daí deu origem ao "travessuras ou doces" "Trick or Treat".

AS MÁSCARAS E FANTASIAS
As máscaras têm sido um meio de supersticiosamente afastar espíritos maus ou mudar a personalidade do usuário e também de comunicação com o mundo dos espíritos. Acreditava-se enganar e assustar os espíritos malignos, quando vestidos com máscaras. Também em outras culturas pessoas tem usado máscaras para assustar demônios que acreditavam trazer desastres como epidemias, secas, etc. Grupos envolvidos com magia negra e bruxaria também usam máscaras para "criar uma ligação" com o mundo dos espíritos.

AS FOGUEIRAS
A palavra inglesa para fogueira (de acampamento, festas, etc.) é "Bonfire". Alguém pode até pensar que quer dizer "fogo bom", mas na verdade vem de "Bone" (osso) + "Fire" (fogo). Nas celebrações da "Vigília de Samhain" nos dias 31 de outubro, os druidas acreditavam poder ver boas coisas e mal agouros do futuro através do fogo. Nestas ocasiões, os druidas construíam grandes fogueiras com cestas de diversos formatos e queimavam vivos prisioneiros de guerra, criminosos e animais. Observando a posição dos corpos em chama, eles diziam ver o futuro. Mais tarde, mulheres, crianças, filósofos e cientistas foram "assados" vivos.

AS CORES LARANJA E PRETA
As cores usadas no Halloween, o laranja e o preto, também tem sua origem no oculto. Elas estiveram ligadas a missas comemorativas em favor dos mortos, celebradas em novembro. As velas de cera de abelha tinham cor alaranjada, e os esquifes eram cobertos com tecidos pretos.

FEITIÇARIA NO PASSADO
Não só os católicos durante as atrocidades da Santa Inquisição, mas também os seguidores de Lutero, durante a selvagem perseguição aos anabatistas, e os calvinistas em sua feroz intolerância, promoveram barbaridades e injustiças com a desculpa de estarem em "Guerra Santa".

Acreditava-se que mulheres com poderes de feitiçaria podiam lançar aos seus vizinhos toda espécie de sorte maléficas, como morte de gado, perda de colheita, morte de filhos, etc. Segundo a tradição, o poder mais pernicioso de tais bruxas era tornar seus maridos cegos a respeito da má conduta de suas esposas e de fazer com que as chamadas feiticeiras gerassem filhos idiotas ou aleijados. Como a caracterização de bruxas era a de velhas megeras desdentadas com hábitos excêntricos e língua venenosa, muitas mulheres com tais características foram mortas em Salem, nos EUA em 1692.
Vejam só a barbaridade: ter um filho com alguma deficiência já caracterizava a mãe como bruxa ou feiticeira. Na Europa, a figura de feiticeira era a de "uma moça linda e perversa", e grande número de adolescentes e jovens mulheres casadas foram mortas na Alemanha e França.

As primeiras perseguições ocorreram no séc. XIII e depois em 1484 com a Santa Inquisição. O papa Inocêncio II recomendava que seus inquisidores torturassem até obter provas. Durante a Revolução Protestante essa caça assumiu proporções absurdas. Lutero aconselhava que se matasse feiticeiras com menos consideração e misericórdia do que se tinha com criminosos comuns.
Sob o comando de Calvino em 1545, 34 mulheres foram queimadas ou esquartejadas (vivas) sob acusação de serem ou praticarem feitiçaria. Mulheres, moças e até crianças eram torturadas com agulhas enfiadas sob suas unhas, assando-se os pés em fogueiras ou esmagando-se as pernas sob grandes pesos "até que a medula espirrasse dos ossos", tudo isso para obriga-las a confessar "orgias repelentes com os demônios". O ápice desta histeria ocorreu no final do séc. XVI onde o número de vítimas pode ter chegado a 30 mil. Durante essa época em cidades alemãs mais de 900 mulheres foram mortas num só ano, não restando uma só mulher em algumas cidades. Até pessoas celebrizadas por nós defendiam que pessoas fossem mortas sob simples suspeita de feitiçaria.

O HALLOWEEN HOJE 
O Halloween tem outros aspectos negativos além de sua herança pagã arraigada na bruxaria e sua ênfase sobre o diabo e as trevas. Alguns vândalos estão mais interessados em brincadeiras de mau gosto do que em festas. Há vários casos de criminosos e loucos distribuindo balas envenenadas ou guloseimas contendo agulhas ou lâminas. Outro perigo é o de que os motoristas não vêem as crianças com trajes típicos de cores escuras andando em ruas escuras. Todavia, tais associações com o mal não indicam que os pais que permitem celebrações do Halloween estejam colaborando com o diabo. Mas seria difícil você pensar numa virtude positiva nos festejos do Halloween. Seu simbolismo envolve demônios, fantasmas, morte, trevas, esqueletos, medo e terror.

O QUE A BÍBLIA DIZ:

  • Sobre o culto ao medo: II Tim.1:7
  • Sobre um dia especial do mal: Salmos 118:24
  • O que Deus pensa dessa práticas e seus praticantes: Deut.18:9-14; Isa. 8:19; Lev. 19:26, 31; 20:6-8; 20:27;
  • Sobre as chantagens da esmola: Salmos 37:25; Gal. 5:19-21; Apoc. 21:8; 22:15 Nossa resposta: Rom. 12:2; I João 4:4; Efés. 6:12; I Pedro 5:8-9; II Cor. 2:11
REFLETINDO
Existe algo de ruim nisto? Quer dizer que esta simples festividade com pessoas e crianças se fantasiando, pedindo doces é um remanescente de antigas práticas de magia negra, culto aos mortos e outras coisas sinistras?

TIRE SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES
Nos Estados Unidos foram proibidas as orações públicas. O princípio do sectarismo tirou das escolas a celebração do Natal. Mas o Halloween permanece. O abrigo de gatos de Chicago tem uma procura muito grande de gatos pretos durante os festejos de Halloween. Temendo que os gatos estivessem sendo usados em rituais macabros pelos que se auto-proclamam bruxos, a Sociedade Protetora de Animais excluiu a adoção durante essa temporada.
No Brasil e no mundo estão aparecendo pessoas se auto-intitulando bruxos. Simbolismo apenas? Pense em alguns símbolos e analise-os. Há algum significado? Há alguma importância? Há alguma influência? Exemplo: cabeça de abóbora, suástica, crânio com ossos cruzados, a cruz... Deve uma igreja acolher tais festividades? Deve um crente participar de tais festividades? Hoje, mais e mais casos de sacrifícios humanos ocorrem no mundo ocidental justamente nesta época. 
Até os pais da Reforma Protestante cometeram absurdos de injustiça nesta área. Não estaríamos nós celebrando a injustiça que tanto desagrada a Deus? (Isaías 6.7-8). 
O assunto não é algo de extrema importância. É simplesmente algo que devemos nos colocar a par para um Posicionamento ético quando alguém nos perguntar sobre a questão.
Este estudo não é para dar mais "Ibope" ao diabo. Crentes não devem temer o Halloween. Dia 31 de outubro continua sendo um dia que o Senhor Deus criou. Não há espaço aqui para extremismo e nem para fobias. Exemplo de extremismo característicos do povo Cristão: A primeira edição de "A Origem das espécies" de Darwin, foi praticamente esgotada pela corrida dos crentes para comprar o "livro herege"... nós financiamos a segunda edição do livro e, provavelmente, a popularidade da teoria. Há uns 5 anos atrás várias pessoas faziam palestras sobre a Nova Era e as igrejas estavam super alertas para a simbologia e embaixadores desse movimento. 
Isso gerou uma verdadeira "paranóia", ao ponto de acusarem a Junta de Missões de "Nova Era", por trazer o desenho de um arco-íris, um dos supostos símbolos, em um de seus cartazes.
Fonte: Jesus Voltará
Leia mais sobre o tema clicando nos títulos abaixo:

domingo, 16 de outubro de 2011

Urgente... Precisa-se de Professores de Escola Bíblica Infantil

TREINAMENTO DE PROFESSORES DA ESCOLA BÍBLICA INFANTIL

Provérbios 22: 6 Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele.

Objetivos da EBD Infantil:

A EBD infantil existe para ENSINAR a criança no caminho em que deve andar, ou seja, na presença de Deus. É o momento onde se aprende a orar, a cantar, a conviver em grupo com outras crianças, e também é o momento onde APRENDEM a Palavra de Deus, numa linguagem simples, porém com sabedoria.


O preparo dos professores

Assim como em qualquer escola secular, os professores devem sempre estar muito bem preparados para o ensino bíblico. Geralmente a criança é muito curiosa, e por certo, lhe fará perguntas que pode levar o professor despreparado a um sentimento de “vergonha”, causando assim uma impressão ruim para a classe. Porém, o professor não tem a obrigação de saber tudo. No entanto, deve usar de sabedoria para esta ocasião, dizendo que vai pesquisar e no próximo encontro lhe dará a resposta.
O professor deve buscar ter bastante conhecimento da lição que será ensinada. Se possível não fique apenas na leitura do material utilizado, busque outras traduções bíblicas, outras referências, que lhe ajudarão muito no desenrolar da história. Ter uma Bíblia na Linguagem de Hoje, seria muito sábio da parte dos professores, pois a leitura nunca deve ser feita de maneira complicada e sim com palavras conhecidas destes pequeninos.

O professor deve ser preparado não apenas no conhecimento bíblico, mas em primeiro lugar deve ter sua vida no altar de Deus. Precisa manter um bom testemunho dentro e fora de casa. Precisa manter uma vida de oração, consagração e separação do pecado. O preparo na vida no professor começa de dentro para a fora!

Preparando a lição

Conhecendo bem a história bíblica, o professor não terá a necessidade de estar lendo no livro ou na Bíblia, e sim, apenas mostrando a figura da história, e fazendo gestos, “caras e bocas”, trará a atenção das crianças para si, e elas absorverão maiores detalhes.
Conhecendo bem a história bíblica, o professor terá a liberdade de olhar diretamente nos olhos das crianças, e fazer com que elas participem da história, isso ajudará a memorizar a Palavra de Deus.

O conhecimento da história bíblica, não virá de uma leitura simples apenas. O professor deve dedicar tempo lendo uma e outra vez, orando para que o Espírito Santo lhe revele algo novo e edificante para as crianças através da história. Leia a história bíblica todos os dias até o dia em que for ensiná-la. Isso fará com que o professor memorize bem o texto, sem medo de errar.

Um professor bem preparado se nota de longe. Sua bíblia é anotada. Possui apontamentos em seu caderno. Preocupa-se com tudo o que vai acontecer durante a história: Movimentos, palavras, olhares, expressão, etc.

Cabe ao professor, preparar os desenhos para pintura, recortes ou colagens, tudo feito antecipadamente e com capricho. Nada de deixar para última hora e fazer de maneira relaxada. Todo desenho deve ser sem muitos detalhes (dependendo da idade). As crianças merecem um cuidado todo especial e portanto, cada detalhe valerá por estes pequeninos. (Quando notar que o material está terminando, avise o líder, não deixe em cima da hora)

O professor bem preparado, aprende músicas sobre as histórias bíblicas. Ele não espera que outros o façam, ele mesmo se encarrega de conhecer e aprender “musiquinhas” de criança para ensinar juntamente com a lição. (musica infantil deve ser curta e com palavras fáceis de pronunciar)

Cabe ao professor, facilitar a memorização do versículo bíblico chave da lição. Isso deve ser feito na linguagem simples para que todos possam memorizar na mente e no coração.

Chegou a hora de Ensinar

Este é o momento mais esperado pelas crianças. O momento do Culto Infantil.

Tudo já deve estar preparado: classe arrumada, limpa, objetos no lugar, versículo de memorização em letras grandes e lugar visível. Material para atividade após a história bíblica já deve estar em seu devido lugar. Se for utilizar CD para musica, já deixe preparado de antemão.

Com um sorriso nos lábios, e um abraço amigo, cumprimente cada criança ao entrar na sala.
Chame-as pelo nome, se não conhece o nome delas utilize um crachá bem criativo para todas as crianças. Não as chame por apelido, e sim pelo nome.
Coloque cada criança em seu devido lugar, separando as que gostam de conversar.
Com um: “Boa Noite, a paz do Senhor”, faça uma oração com palavras simples, voz audível, e não muito longa para iniciar o Culto Infantil.
Faça a chamada, colocando os nomes das crianças no quadro de freqüência. Não esqueça os visitantes. Elogie aquele que trouxe o visitante e incentive os demais a fazerem o mesmo no próximo Culto.
Pergunte como foi a semana de cada um. Pergunte se alguém recebeu uma benção de Deus especial e deixa-a contar. Cuidado para não tomar muito tempo.

Comece anunciando o tema da história de hoje:
Por exemplo: Hoje vamos aprender sobre uma grande pescaria!
- Alguém já pescou alguma vez? Peixe grande ou pequeno? Foi fácil pescar? (perguntas simples para que eles comecem a participar)

Segure a figura da história o tempo todo diante dos olhos das crianças. Não esconda seu rosto. Você deve estar sempre olhando nos olhos de cada um. Conte a história com bastante entusiasmo. Mude a voz se for preciso (caso tenha um diálogo por exemplo). Mantenha a altura da sua voz.

No desenrolar da história, faça perguntas do tipo:
- Quem eram mesmo que estava no barco? (Pedro e Tiago)
- O que aconteceu quando Jesus pediu para jogar a rede novamente? (obedeceram)
Faça as perguntas fazendo “caras e bocas”, incentivando-as a responder. Caso responda errado, vc deve ensiná-las com amor.

A moral desta história pode ser que: somos pescadores de almas, e portanto, devo convidar meus amigos para virem à igreja comigo! (Vc poderá fazer um peixinho-convite, e cada criança levará para convidar outra criança para o próximo culto).

Geralmente histórias longas farão com que as crianças desviam a atenção. Portanto, procure preparar bem a lição, para no desenrolar da história frisar apenas os aspectos de maior importância para o momento.

Peça que as crianças tragam uma bíblia, mesmo que elas não saibam ler. Assim elas se acostumarão a trazer a Bíblia na Casa de Deus. Use de estratégia: Quem trouxer a Bíblia no próximo culto, ganhará uma surpresa (que pode ser um pacotinho de pipoca). Para crianças que estão em dois ou três irmãos, vale uma Bíblia apenas.

Para memorizar o versículo bíblico, leve-os a repetir por pelo menos 3 vezes em voz alta. Cantando:Toda música para crianças deve ser de linguagem fácil e curta. Musicas longas tendem a ser enjoativas, e geralmente eles não assimilam palavras inteiras. Cabe ao professor, conhecer bem a musica a ser ensinada. Ensaie em casa. Aprenda a letra. Invente gestos. Faça caras e bocas se for preciso, isso ajudará a que todos deixem de ser tímidos e louvem ao Senhor.

Cabe ao professor, preparar de antemão um aparelho de som, ou rádio-gravador, caso seja utilizado um CD.

Vergonha e timidez na frente das crianças não funcionará. Portanto, se vc é tímido (a) ore ao Senhor para que faça de vc uma pessoa livre para ensinar com excelência. As crianças notam com facilidade quando vc está inseguro (a) ou tímido (a). Isso é prejudicial ao ensino.

Atividades:
Cabe ao professor preparar a folha de atividades para cada história a ser aprendida. O desenho deve sempre estar relacionado com a história. O desenho deve ser grande e sem muitos detalhes. Tenha sempre folhas o suficiente para todas as crianças. Coloque sempre o nome da criança, e a data. (Estas folhas, irão para a pasta individual de cada criança para as reuniões com os pais).

Distribua as folhas, o lápis de cor, (ou giz de cera, etc.). Ao som da musica aprendida, eles estarão pintando o desenho. Recolha as folhas para guardá-las em suas devidas pastas.

IMPORTANTE:Cada professor é responsável pelo material utilizado com as crianças. Cada professor deve ter o seu e deve ser suficiente. (Lápis de cor, giz de cera, massinha, sulfite, lápis preto, apontador, etc.). Todo material deve estar devidamente guardado em caixas decoradas. Não se esqueça: você está trabalhando com crianças.

Terminando:
Ao encerrar, peça que o “Ajudante do Dia”, recolha as folhas e o material utilizado (Lápis de cor, por exemplo). Agradeça a criança! Caso vc tenha entregado o crachá, também devem ser recolhidos. Coloque todos de pé, de mãos dadas, e pergunte se alguém tem algum pedido especial para apresentar ao Senhor. Com palavras simples faça a oração. Agradeça a presença de todos. Faça uma fila para levá-los de volta a igreja. Oriente-os a que não entrem correndo e sim em ordem. Retire os nomes do “Quadro de Presença”, guarde-os. Deixe a classe arrumada. Não se esqueça de fechar a porta.


FONTE: Blog da Tia Pri

Reloginho

Olha a Horaaaaaaa!!!
Coloque um reloginho no seu blog! Escolha lá no site Calgot&Maimai

Livro Sem Palavras

Olá!
Você conhece o Livro Sem Palavras?
Pois dê uma olhada nesse vídeo que explica passo a passo como contar a história do Plano da Salvação através das cores desse livro!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Tempo (1)






segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Sete Necessidades Básicas das Crianças

1. AS CRIANÇAS PRECISAM DE UM SENTIDO, DE SIGNIFICADO:
Os seres humanos necessitam ser notados, apreciados e amados como são, caso queiram ter um sentido de significado. Não conseguiremos viver conosco mesmos se sentirmos que não temos valor ou se não gostamos de nós mesmos.

De que forma podemos desenvolver este senso de significado?

1. Investir no relacionamento conjugal, demonstrando amor um pelo outro diante dos filhos.
2. As crianças não devem ser o centro de nossas atenções.
3. As crianças devem ser respeitadas em seu processo de maturação, não podem ser forçadas a alcançar posições superiores às suas possibilidades.


Atitudes dos pais que podem gerar complexo de inferioridade nos filhos:

-elogios freqüentes a um dos irmãos;
-ferir o auto-respeito;
-exposição da criança ao ridículo, sarcasmo, zombaria, desprezo.

Como construir um sentido de significado?

-Elogiar a criança pelos seus pequenos serviços e atitudes. Como diz Bruno Bettelleim : “A convicção sobre o próprio valor só pode resultar do sentimento que a pessoa tem de que seu trabalho é importante e que ela se desempenha bem dele.”
-Apresentar a criança a outros pelo nome.
-Permitir que a criança fale por si mesma quando alguém lhe faz perguntas.
-Respeitar as opiniões e sentimentos da criança.
-Passar mais tempo com a criança, dando a devida atenção.
-Confiar nelas para que desenvolvam um senso de dignidade.


2. AS CRIANÇAS PRECISAM DE SEGURANÇA
Condições que criam insegurança:
1. Conflitos mal-resolvidos entre os pais que não sabem lidar com as diferenças de opinião.
2. Mobilidade constante traz dificuldades de ajustamento aos novos locais e pessoas.
3. Falta de disciplina, de limites estabelecidos.
4. Ausência dos pais em casa.
5. Críticas freqüentes provocam sentimento de fracasso e incompetência.
6. Pais que dão presentes e dinheiro, mas não dispõem de tempo, nem demonstram amor pelos filhos.
7. Insegurança e ansiedade dos pais.

Condições que criam segurança:
1. Harmonia, lealdade e comprometimento dos pais em seu casamento.
2. Certeza do amor dos pais que se concretiza em gestos de afeto.
3. União na família, para o alcance de metas, gera o senso de estabilidade.
4. Manutenção da rotina, horário habitual para as refeições e sono.
5. Disciplina administrada de forma amorosa.
6. Administração de toque (abraços, colo, carícias, beijos etc.)
7. Sensação de pertencimento para sentir-se aceita, valorizada e digna de valor.


3. AS CRIANÇAS PRECISAM DE ACEITAÇÃO
Assim como a saúde do corpo depende da alimentação e de exercícios físicos adequados, a saúde emocional depende da auto-estima, senso de utilidade, aceitação e valorização.

Por que as crianças sentem falta de aceitação?
  • Críticas constantes que geram sentimentos de fracasso, rejeição e desajustes.
  • Comparar a criança com outros, em nível de desempenho e competências.
  • Querer que as crianças atendam às expectativas da juventude dos pais.
  • Superproteger a criança faz com que se sinta incapaz de realizar tarefas.
O que dá lugar ao sentimento de aceitação?
  • A criança deve ser tratada e apreciada como única, ter certeza de que é amada do jeito que é.
  • Auxiliar a criança a descobrir o prazer de realizar algumas atividades.
  • Permitir que a criança descubra que é amada, desejada e apreciada.
  • Aceitar as amizades do filho.
  • Manter a sinceridade e não ter receio de revelar suas fraquezas.
  • Ouvir os filhos com o coração.
  • Valorizar o filho, tratando-o como uma pessoa de valor.
  • Contribuir.

4. AS CRIANÇAS PRECISAM AMAR E SER AMADAS
“A suprema felicidade da vida está na convicção de que somos amados.” (Victor Hugo)
A forma como estendemos amor a nossos filhos afetará profundamente a nossa forma de nos relacionarmos com os outros. Amar e ser amado produz a sensação de pertencimento que produz a segurança necessária para enfrentar a vida.

Seus filhos sabem que são amados?
Aprendemos a amar, pois nascemos com capacidade para isto. Correspondemos ao amor que nos é demonstrado.
Ensinamos o nosso filho acerca do amor de Deus e da beleza do sexo quando expressamos, diante dEle, o amor pelo cônjuge.
Demonstramos o amor quando o comunicamos através de palavras e de gestos.
Amamos quando revelamos o prazer que sentimos na companhia do outro.
O amor é demonstrado quando demonstramos que confiamos nos nossos filhos.
Ouvir os filhos é uma das melhores formas de amá-los e termos a certeza de que seremos ouvidos no futuro.
Este nobre sentimento contribui para compartilharmos experiências, as quais promovem a união, compreensão e comunicação.
Quem ama, constrói relacionamentos francos e confortáveis, atentando para a verdadeira identidade da criança.
As pessoas amadas sabem que são mais importantes que as coisas.


5. AS CRIANÇAS PRECISAM DE ELOGIOS
Tornamos as pessoas belas quando as louvamos e encorajamos com sinceridade. Precisamos de calor e ternura para mudar para melhor. Os nossos problemas de identidade são causados pelas críticas. O elogio não estraga a criança. Mas, se ela não o receber, passará a buscá-lo de forma errônea.

  • Deve-se elogiar o desempenho da criança e não a sua personalidade, sempre apontando para o progresso e evolução da criança.
  • O louvor deve ser dado pelas pessoas que ocupam uma posição privilegiada no cotidiano da criança. Dessa forma, se promoverá a generosidade, iniciativa e cooperação.
  • O elogio deve ser sincero.
  • A criança deve ser elogiada pelas ações de iniciativa própria.
  • As atitudes dos pais são tão importantes quanto as palavras de ânimo.
6. AS CRIANÇAS PRECISAM DE DISCIPLINA
Disciplinar a criança exige sabedoria, paciência e persistência. Não basta haver amor por parte dos pais. Os sentimentos de cordialidade, afeição e amor devem ser temperados com conhecimento, compreensão e auto-controle. Se a criança tiver liberdade ilimitada, certamente se assustará e se tornará insegura. A verdadeira liberdade será alcançada quando houver limites. Estes limites devem ser bem compreendidos e colocados em prática.
“1. Definição de disciplina. A disciplina é no geral definida como castigo que produz obediência. Este conceito é muito limitado. A palavra disciplina deriva de discípulo. Tanto disciplina como discípulo têm origem no termo latino para pupilo, significando instruir, educar e treinar. A disciplina envolve a modelagem total do caráter da criança, encorajando o bom comportamento e corrigindo aquele que é inaceitável. O castigo é a parte da disciplina que fornece uma restrição curta e temporária.
O castigo do mau comportamento não produz automaticamente o bom comportamento. A disciplina inclui também a responsabilidade dos pais em obter, encorajar, construir o bom comportamento em substituição ao mau. A disciplina inclui tanto o cultivo como a restrição – dois elementos necessários para a vida. Um bom jardineiro cultiva e poda suas plantas a fim de obter bons frutos. As ervas daninhas florescem naturalmente sem cuidado especial. Treinamento é o que devemos fornecer a nossos filhos. Ao encarar a disciplina nesses termos mais amplos, compreendemos que os métodos a serem aplicados podem variar muito mais do que pensamos geralmente. A disciplina inclui tudo que um pai faz ou diz para ajudar seu filho a aprender e desenvolver-se na direção da maturidade.
2. Propósitos da disciplina. Os pais devem perguntar continuamente a si mesmos:’Qual o objetivo final que desejo alcançar no treinamento de meus filhos?’
3. Métodos de disciplina. A reação da criança à disciplina dos pais tem muito mais significado do que o método usado.”

Os métodos de disciplina podem ser resumidos em três categorias:
a) Regulamento – estabelecimento de regras.
b) Imitação – o modelo da criança está nas ações dos pais, do que são, fazem e dizem.
c) Inspiração – resultante da felicidade e satisfação dos pais.

A disciplina e o controle só vão funcionar quando há estrutura de bons sentimentos, afeição e alegria.

Os cinco princípios de disciplina do Dr. James Dobson:
1. Desenvolver respeito pelos pais, atentando para os seus princípios religiosos.
2. Reconhecer que a comunicação no geral melhora depois do castigo.
3. Controle sem implicância.
4. Não saturar o filho com excessivo materialismo.
5. Evitar extremos no controle e no amor.

7. AS CRIANÇAS PRECISAM DE DEUS
As primeiras orientações bíblicas para os pais estão em Deuteronômio 6.6-9.
- Os pais devem ter, em primeiro lugar, comunhão com Deus: conhecer o caminho, mostrá-lo e seguir através dele. A compreensão do amor de Deus, misericórdia, perdão, aceitação e a verdade da Palavra de Deus resultarão do relacionamento familiar.
- O treinamento religioso é responsabilidade direta dos pais. A colaboração e encorajamento dos pais são os pré-requisitos para o desenvolvimento espiritual da criança na igreja.


Observando o texto bíblico de Salmos 78.1-8 verificamos os três propósitos da instrução:
1. Depositar fé em Deus;
2. Lembrar-se das obras divinas, guardando os seus mandamentos;
3. Impedir o descontrole, teimosia e rebeldia.
- A instrução deve ser constante, contínua. Até os quinze anos, a criança normal pode fazer até 500.000 perguntas. A ausência de ensino sobre Deus pode expor a criança a toda sorte de falsos deuses e filosofia.
- A maior parte da orientação é comunicada através do exemplo.
Este texto é uma síntese do livro:
DRESCHER, John, M. Sete necessidades básicas da criança. Trad. Neyd Siqueira. 12. ed. São Paulo: Mundo Cristão, 1999.